quarta-feira, 11 de março de 2015

DEPUTADA VALÉRIA MACEDO DEFENDE CANDIDATURAS AVULSAS PARA MULHERES

Em audiência pública organizada e realizada nesta segunda-feira, (10) pelo GEDEMA na Assembleia Legislativa do Maranhão a Deputada Valéria Macedo (PDT) defendeu candidaturas avulsas para mulheres como forma de viabilizar candidaturas femininas para os Poderes Legislativo e Executivo, na Reforma Política.

Como uma das oradoras da audiência, Valéria reafirmou sua posição a favor das cotas de vagas para mulheres nos parlamentos e nos diretórios, executivas ou comissões provisórias de partidos políticos nas esferas federal, estadual e municipal. “As cotas de candidaturas são um mecanismo que tem se mostrado de pouca eficácia e, sozinho, não tem conseguido diminuir a sub-representação da mulher no poder político. Os partidos políticos, por outro lado, são geridos por homens e a participação das mulheres, quando existente, é meramente simbólica, o que obviamente restringe a participação das mulheres na política”, disse Valéria.
 
A parlamentar afirma que vivemos em tempos difíceis. “Crise de valores éticos, crise política, crise econômica que diminuem os postos de trabalho e ascensão social, a crise da baixa qualidade dos serviços públicos, as profundas desigualdades sociais e econômicas, a sub-representação da mulher no poder político, a violência doméstica, dentre várias outras crises e males da sociedade contemporânea”, afirmou Valéria. 


A deputada reconheceu que existem outros lugares piores para a mulher no Mundo, e citou como exemplos a Índia, a China, o mundo islâmico e vários países da África, mas ponderou que o paradigma no qual a mulher brasileira deve mirar é o das mulheres na Europa Ocidental, dos EUA e do Canadá.

A parlamentar conclamou todas as mulheres que tem alguma parcela de poder político, econômico, social, institucional ou de qualquer natureza que o use a favor das mulheres. “Podemos iniciar pela inserção na agenda política os valores muito cultivados por nós mulheres como a ética na política, a probidade na administração pública, a solidariedade e a sensibilidade na concepção e execução das políticas públicas sociais”, afirmou.

Valéria entende que a participação da mulher no poder deve partir dos direitos fundamentais e sociais previstos na Constituição Federal de 1988, e que luta deve ser no sentido de torná-los realidade social. “A Constituição Federal diz que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, mas todos sabem que a práxis política e social maranhense e brasileira não é essa. Se somos iguais por que não chegamos ao poder na mesma proporção dos homens?”, questionou. 

A deputada chamou a atenção para o fato de as mulheres terem uma afinidade com “o campo dos direitos sociais” como as políticas sociais da saúde, da Educação, do Trabalho, da defesa das mulheres contra a violência, da defesa das crianças e dos adolescentes, do combate as inaceitáveis desigualdades de gênero. “Acredito muito que a efetivação dos direitos fundamentais e sociais já inscritos na Constituição de 1988, a criação de quotas de vagas no Legislativo e nos órgãos partidários e a criação de candidaturas avulsas são mecanismos que seguramente podem ajudar a melhorar muito as nossas chances de chegar ao poder”, concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário