sábado, 6 de fevereiro de 2016

O estranho silêncio em torno do prefeito Ribamar Alves

Mesmo diante do quadro em que se encontra, soa estranho o silêncio dos seus pares de partido e de vereadores da base aliada
 
 
 
Por João Carvalho Jr.
De O Imparcial (com redação)
Gilberto Lima
 
O prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves (PSB) está preso há mais de uma semana por ser acusado de estuprar uma jovem estudante e vendedora de livros. Homem público, mas sem regalias na prisão, Alves parece isolado do restante da classe política e até mesmo renegado. Talvez alguns tenham medo de possíveis repercussões negativas de qualquer manifestação de solidariedade ao aliado.
 
Em contato com o advogado de defesa do prefeito, Ronaldo Ribeiro, O Imparcial soube que poucas pessoas mais próximas têm procurado informações sobre Ribamar Alves. “Como ele não está podendo receber visitas, as pessoas não têm procurado falar com ele”, disse o advogado. Somente ele pode falar com o prefeito.
 
Mesmo diante do quadro em que se encontra, soa estranho o silêncio dos seus pares de partido e de vereadores da base aliada. Nem mesmo a esposa, a suplente de deputado federal Luana Alves, tem se manifestado publicamente, talvez por conhecer muito bem a ‘banda podre’ do marido.
 
Lideranças partidárias
 
O presidente estadual do PSB e prefeito de Timon, Luciano Leitoa, foi procurado por O Imparcial, mas nunca deu respostas aos nossos questionamentos. Não só ele, mas o secretário-chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, também silenciou diante das perguntas feitas. Nos bastidores da política, o que se comenta é que o partido não pretende se precipitar, esperando a hora certa para se posicionar diante do caso.
 
Alguns aliados talvez sigam a máxima do ‘quem for podre, que se arrebente’ ou de que ‘cerca velha quando cai, derruba todo mundo’.
 
Os vereadores de Santa Inês também não falam nada. Mesmo com o assunto ainda rendendo em meio à população, eles pretendem esperar o desenrolar da história. Mas não poderão fugir por muito tempo, já que existe um pedido de cassação protocolado junto à Câmara Municipal.
 
Na ausência do prefeito, os secretários têm feito os trabalhos de forma isolada, para que o prejuízo seja o menor possível. Porém, a cidade não pode ficar sem seu gestor por mais de 15 dias. Neste caso, cabe aos vereadores empossarem o presidente da Câmara e este convocar o vice para assumir.
 
CRM
 
Ribamar Alves é médico. E veio justamente da classe a única manifestação que não atinge o prefeito quanto ao assunto. Segundo o presidente do Conselho Regional de Medicina no Maranhão (CRM-MA), Abdon Murad, o “CRM-MA está preocupado com a prisão” do prefeito. Ele diz ainda que “o Laudo do IML  já foi concluído há dois dias e aponta que não há sinais de violência física na denunciante”.
 
Baseado nisso, Abdon defende a tese de que é preciso cuidado na análise do caso e se mostrou solidário ao prefeito. As palavras de Abdon Murad soaram como corporativistas para muitos, que dizem que o presidente desconsiderou o fato de que não precisa da existência de sinais de violência física para comprovar o estupro.
 
O caso está no TJ
 
A manutenção ou relaxamento da prisão de Ribamar Alves pode ser definido nos dias que sucedem o carnaval. O caso está no Tribunal de Justiça à espera de análise e, posteriormente, transformação em audiência. O advogado já havia solicitado a soltura, mas o Ministério Público Estadual pediu a manutenção, o que foi atendido pelo TJMA.
 
Na sexta-feira (5), o desembargador Vicente de Paula negou o pedido de revogação da prisão do prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves (PSB), solicitado pelos advogados de defesa.
 
Com a decisão, está mantida a prisão preventiva de Ribamar Alves, preso e autuado em flagrante no dia 29 de janeiro, acusado de estuprar uma jovem de 18 anos.
 
Novamente pesou contra Ribamar Alves o seu histórico de envolvimento em crimes sexuais. Em 2013, ele foi condenado por assediar a juíza da Comarca de Santa Inês, Larissa Tapinambá Castro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário