terça-feira, 11 de outubro de 2016

Padre deu carona para adolescentes que o mataram em MT, diz polícia

Três adolescentes foram detidos e confessaram ter matado o sacerdote.
Padre João Paulo Nolli, de 35 anos, foi morto por estrangulamento.

 

André Souza Do G1 MT

Padre João Paulo Nolli, de 35 anos, foi morto por estrangulamento em Mato Grosso (Foto: Reprodução/TVCA)
Padre João Paulo Nolli, de 35 anos, foi morto por estrangulamento em Mato Grosso (Foto: Reprodução/TVCA)

O padre João Paulo Nolli, de 35 anos, que morreu após ser estrangulado em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, ofereceu carona para os três adolescentes detidos nesta segunda-feira (10) suspeitos de terem matado o sacerdote, segundo a Polícia Civil. O padre estava desaparecido desde o sábado (8) e foi encontrado morto no domingo (9) em um terreno baldio na cidade.

Em depoimento, os três adolescentes com idade entre 16 e 17 anos, confessaram o crime. Eles disseram à polícia que estavam andando na rua, quando o padre passou de carro e lhes ofereceu carona.

De acordo com o delegado Gustavo Belão, da Polícia Civil, os adolescentes contaram que entraram no carro e, no meio do caminho, discutiram com o padre e o mataram. “A investigação deve apontar agora o motivo dessa discussão”, afirmou.

Ainda segundo Belão, os três retiraram o padre de dentro do carro, o estrangularam do lado de fora e deixaram o corpo em um terreno baldio. “Depois disso, eles [adolescentes] pegaram o carro, a carteira do padre com R$ 65 e o celular do sacerdote”, disse.

Carro do padre foi deixado no Bairro Jardim Europa, um loteamento em construção afastado em Rondonópolis (Foto: Polícia Civil de MT)
Carro do padre foi deixado no Bairro Jardim Europa, um loteamento em construção afastado em Rondonópolis (Foto: Polícia Civil de MT)
 
Outras quatro pessoas, entre elas um adolescente de 14 anos e três homens de 25,30 e 32 anos, foram detidas no domingo suspeitas de receptação do carro e dos pertences roubados de João Paulo. A Polícia Civil diz que os quatro são usuários de droga e estavam tentando vender o celular do padre assassinado.

O carro do padre, um Hyundai HB20, foi encontrado abandonado na noite de domingo no bairro Jardim Europa. O veículo estava intacto e passará por perícia nesta segunda-feira.

Corpo do padre João Paulo Nolli foi encontrado em terreno baldio (Foto: Câmara Municipal de Rondonópolis)
Padre João Paulo  foi encontrado em terreno baldio
(Foto: Câmara Municipal de Rondonópolis)
O caso
 
João Paulo estava desaparecido desde a noite de sábado (8), em Rondonópolis. O corpo da vítima foi localizado na manhã de domingo (9), em um terreno baldio no Bairro Rosa Bororo. Uma pessoa que passava pela rua viu o corpo da vítima no terreno e entrou em contato com a polícia no início da manhã.

Uma pessoa que estava com o celular do padre tentou extorquir um assistente do padre. O suspeito exigiu dinheiro para entregar o celular da vítima. No entanto, o valor não foi pago, mas o celular acabou sendo recuperado. Essa pessoa está foragida, conforme a Polícia Civil.

O corpo de João Paulo foi velado na Paróquia São José Esposo, localizada na Avenida Vereador Lourenço Neto, no Bairro São José II. Ele era pároco da comunidade São José Esposo. O prefeito de Rondonópolis, Percival Muniz (PPS), decretou luto oficial de três dias pela morte do padre.
Fabiano Francisco do Nascimento, que fazia parte da mesma comunidade que o padre João Paulo, disse que recebeu a notícia da morte com muita tristeza. “Não acreditamos no momento, estávamos em um momento de oração e esperamos até ter a confirmação”, disse.

Segundo ele, as missas do sacerdote chegavam a reunir 1,2 mil pessoas. “Vieram fieis de todo o Brasil na missa dele. Ele era uma pessoa que só fazia o bem. Hoje, nossa comunidade está em luto”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário