segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Com a corda no pescoço!! Roseana Sarney apreensiva com notícia de que Geddel está disposto a delatar


A Coluna Expresso, da Revista Época, traz hoje uma nota sobre a disposição do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso desde setembro, em fazer acordo de delação premiada. Amigo íntimo da família Sarney, ele poderia gerar problemas, sobretudo com Roseana, com quem é suspeito de desviar R$ 18 milhões após enchentes no Maranhão em 2009.

Geddel Vieira Lima é tratado como um homem-bomba pela cúpula do PMDB. Em setembro de 2017, a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em dinheiro vivo em um apartamento do ex-ministro em Salvador. Suspeita-se que o montante seja fruto de uma série de desvios envolvendo grandes figurões pemedebistas.

De acordo com a Coluna Expresso, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso em Brasília desde setembro, está disposto a negociar um acordo de delação premiada por saber que sua situação é difícil. Ele, no entanto, enfrenta dois problemas.

O primeiro é que o operador Lúcio Funaro detalhou informações que poderiam ser ditas por ele. O outro é que Geddel resiste a citar amigos do PMDB, incluindo Michel Temer. Sem isso, as chances de a colaboração prosperar são mínimas.

Entre esses amigos estão também José e Roseana Sarney. Uma investigação do governo federal apura o destino de parte dos recursos repassados ao Governo do Maranhão em 2009 com o objetivo de recuperar rodovias em quase 70 municípios do estado.

Os recursos deveriam ter recuperado rodovias após uma enchente no estado. Uma auditoria interna do Ministério da Integração Nacional orienta a glosa de R$ 18 milhões – com valores atualizados – em contrato realizado por aquele órgão e o governo do Estado.

Geddel Vieira Lima, hoje preso com dinheiro vivo em seu apartamento, era o ministro à época. E Roseana Sarney, a governadora. Parte dos processos também foi assinado por seu vice, o hoje senador João Alberto.

O clima entre os sarneysistas é de apreensão em relação a uma possível delação premiada de Geddel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário