terça-feira, 9 de julho de 2019

Flávio Dino revela três possibilidades sobre seu futuro político em 2022


Jornal Pequeno – Afinal, o senhor pretende disputar a Presidência da República, em 2022?

Flávio Dino – Neste momento, meu foco número 1, meu foco principal, meu foco que me move de manhã, de tarde e de noite é a tarefa de continuar transformando o Maranhão e melhorando a vida da população.

É claro que, lá adiante, em 2022, nós teremos mais um processo eleitoral, se Deus quiser. E eu estarei participando dele. Poderei participar de três formas. Forma número 1: continuando no governo do Maranhão até o final do meu mandato. É uma hipótese. O ex-governador Ricardo Coutinho, da Paraíba, fez isso e hoje preside a Fundação João Mangabeira, do PSB. O ex-governador José Reinaldo também fez isso. É uma hipótese. Segunda hipótese: saio em abril de 2022 e me candidato a um cargo no Congresso Nacional: ou no Senado ou na Câmara.

Terceira hipótese: em havendo algum tipo de articulação nacional, no campo da esquerda, no campo popular democrático, e isso resultando numa convergência ampla, que é a minha tese, em torno de determinados nomes que consigam de um modo unificado representar o nosso pensamento, e se eu tiver a possibilidade de ser um desses nomes, é claro que poderei desempenhar esta tarefa. Mas não é algo que eu planeje como foco principal e exclusivo. Porque, simplesmente, não depende de mim.

JP – Mas há uma movimentação sua com vistas a uma maior projeção na política nacional?

FD – O que é fato é que, como disse, a alternativa 1 e 2 dependem exclusivamente de mim. A alternativa 3, não. Depende de Deus, da vontade de um monte de gente, de um monte de partidos, e é claro que eu sou uma pessoa centrada, equilibrada, com o pé no chão, e não me dedico a uma coisa que não depende de mim. Depende de uma montanha de gente. Agora, as três hipóteses, graças a Deus, existem.

Do JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário