sexta-feira, 12 de abril de 2019

“Queremos levar a experiência da saúde no Maranhão para toda a América Latina”, diz representante da OPAS


Resultado de imagem para “Queremos levar a experiência da saúde no Maranhão para toda a América Latina”, diz representante da OPAS
A sala CUIDAR, rede de atenção às urgências e emergências obstétricas, e a Casa de Apoio Ninar, que presta assistência especializada a crianças com problemas de neurodesenvolvimento e seus familiares, servirão de modelo para implantação de políticas públicas de saúde na América Latina. A afirmação foi feita por Suzanne Serruya, diretora do Centro Latino-Americano de Perinatologia, Saúde da Mulher e Reprodutiva, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), braço latino-americano da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Serruya e outras representantes da OPAS estiveram reunidas com o governador Flávio Dino na manhã desta quinta-feira (11), no Palácio dos Leões, para discutir os avanços da saúde materno-infantil no Maranhão e os novos passos do trabalho em conjunto das instituições no estado. Também acompanharam a reunião os secretários de Estado da Saúde, Carlos Lula, e de Políticas Públicas, Marcos Pacheco.

Em parceria com a OPAS, o Governo do Maranhão adotou estratégias e ações voltadas para a qualidade de vida da mulher, pré-natal, parto e puerpério, implantando método no atendimento primário de saúde materno-infantil e planificando o sistema. Como resultado, as unidades que fazem parte da rede reduziram a mortalidade entre mulheres e crianças no estado. Desde 2015, foi observado que os indicadores de mortalidade materna no Maranhão apresentaram redução de 30%.

“É uma revolução que a gente vê na saúde do Maranhão, uma experiência positiva. O Estado conseguiu realizar mudanças nos indicadores de saúde materna e saúde neonatal de uma maneira que nós acreditamos que é a melhor: fortalecendo a atenção primaria, usando os recursos de maneira efetiva e transparente, e melhorando a gestão de saúde com criatividade”, afirmou Suzanne Serruya.

Segundo Serruya, a Sala CUIDAR e o NINAR são programas enriquecedores para ajudar outros países. “A sala CUIDAR auxilia os profissionais municipais de saúde a resolver um problema de emergência obstétrica com mais segurança. E o NINAR é a cereja  do bolo do Maranhão, porque mostra como um espaço tão bonito e tão privilegiado permite equidade para famílias que precisam enfrentar a tragédia de ter crianças com tantas necessidades especiais”, sustentou.

Para o governador Flávio Dino, as boas práticas implantadas já possuem resultados expressivos, e é preciso perenizar as mudanças, para que não hajam retrocessos. “Muito recentemente tivemos a confirmação de que em 2018 colhemos os menores índices de mortalidade infantil e materna das últimas décadas. Isso mostra que estamos no caminho certo. A parceria com a OPAS permite acesso a conhecimentos, metodologias, técnicas que ajudam no nosso trabalho, inclusive junto aos municípios. Já fizemos a planificação em três regiões de saúde, em conjunto com as unidades básicas de saúde e iremos expandir”, garantiu o governador.

Ainda de acordo com o governador Flávio Dino, o próximo passo da parceria com a OPAS é implantar a versão Neonatal da Sala CUIDAR, para diminuir ainda mais a mortalidade infantil. “A sala de situação permite que, 24 horas por dia, haja uma equipe técnica especializada dando apoio aos casos eventualmente mais graves, em toda a rede de saúde do Maranhão, uma espécie de telemedicina, de apoio à distância para acompanhamento dos casos mais delicados, para que se evite resultados negativos. Vamos caminhar agora para a construção de uma sala de acompanhamento dos casos de moralidade neonatal”, garantiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário