domingo, 7 de abril de 2019

Músico morre e sogro fica ferido após militares do Exército atirarem contra carro na Zona Oeste do Rio



Um homem morreu e seu sogro ficou ferido, por volta das 14h40 desse domingo, após militares do Exército atirarem contra o carro no qual eles estavam, na Estrada do Camboatá, em Guadalupe, Zona Oeste do Rio. Familiares e amigos de ambos alegam que eles foram confundidos com bandidos. Já o Exército afirma que os homens são criminosos e atiraram contra a tropa, que só revidou “a injusta agressão”. Um homem que passava no local também ficou ferido.

A vítima fatal foi identificada apenas como Evaldo e seu sogro, Sérgio. Também estavam no carro a mulher e o filho de Evaldo, de 7 anos, além da afilhada do casal, de 13, que nada sofreram.

— Quando eles (militares) começaram a atirar, minha tia pegou meu primo no colo e mostrou que era carro de família, mas mesmo assim eles não pararam de dar tiros — relatou um dos sobrinhos de Evaldo, conhecido como Manduca.

Ainda não há informações oficiais sobre o estado de saúde de Sérgio e do pedestre ferido. Segundo um amigo da vítima, que preferiu não se identificar, Evaldo e o sogro estavam nos bancos da frente, enquanto atrás estavam a mulher, o filho e a afilhada do casal.

— Na medida do possível eles estão bem. O menino saiu sem sequelas, sem ferimento nenhum, mas a esposa do Manduca está dopada. Tiveram que dar remédio pra ela porque está muito abalada — disse, frisando que não ocorreu troca de tiros.

O homem que morreu era músico e foi o primeiro cavaquinista do grupo de samba "Remelexo da cor", segundo a página do conjunto no Facebook, que publicou uma nota de pesar na noite deste domingo.

"Olho pro céu e peço a Deus que mande a paz do sentimento verdadeiro dos mortais. Aqui embaixo o pesadelo está, demais, demais", diz trecho do post.

Nas redes sociais, dezenas de moradores da região fizeram postagens defendendo que os dois homens que estavam no carro e foram alvejados são inocentes e foram baleados por engano. Vídeos que circulam mostram um clima tenso entre militares e moradores.

"Um pai de família que se vai, a família estava dentro do carro", disse uma usuária do Facebook.

"Pessoal do exército confundiu carro da família com o carro dos bandidos que era parecido. Como o carro era de vidro escuro, metralhou e não eram os bandidos", afirmou outra pessoa.
"Teve sim (troca de tiros) mais cedo, mas nessa hora não havia mais, eles confundiram e metralharam o carro", escreveu mais um internauta.

Em nota, o Comando Militar do Leste informou que os militares teriam se deparado com um assalto em andamento e os supostos criminosos, ao avistarem a viatura, abriram fogo contra a tropa, que revidou. “Como resultado, um dos assaltantes foi a óbito no local e o outro foi ferido, sendo socorrido e evacuado para o hospital”, diz o comunicado.

Mais cedo, uma guarnição do Exército que estava em patrulhamento na comunidade do Muquiço, onde há uma pequena vila militar, foi alvejada por inúmeros traficantes. Houve confronto no local, mas ninguém ficou ferido. Duas viaturas Lince blindadas, adquiridas no ano passado para as operações de Garantia da Lei e da Ordem no Rio de Janeiro, foram alvejadas.

A Delegacia de Homicídios da capital foi acionada e fez perícia no local.

Jovem foi morto por militares do Exército em Realengo

Na madrugada da última sexta-feira, Christian Felipe Santana de Almeida Alves, de 19 anos, foi morto por militares do Exército durante uma blitz na Estrada Pedro de Alcântara, em Realengo. Ele estava na garupa da moto de um amigo de 17 anos. O Comando Militar do Leste alega que os jovens não obedeceram a ordem de parada e furaram o bloqueio, mas a família contesta essa versão.


Informações do Jornal Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário