domingo, 9 de junho de 2019

Crânio encontrado na área da base de Alcântara é de mulher desaparecida desde 2017


A Polícia Técnica e Científica concluiu que o crânio encontrado em abril deste ano na área do Centro de Lançamento de Alcântara (CTA) é da dona de casa Alexandrina Garcia Costa, conhecida como “Lilica”.

Ela estava desaparecida desde 20 de novembro de 2017. Para os familiares Alexandrina foi assassinada pelo marido Cleyton Nunes, que chegou a ser preso temporariamente e solto em seguida por falta de provas.

Alexandrina trabalhava em uma pousada na cidade de Alcântara e desapareceu no dia 20 de novembro de 2017. Ela foi vista pela última vez em companhia do marido que foi buscá-la no trabalho.

Nessa mesma noite, os dois foram vistos em um bar. Ela estava com marcas no rosto. Depois disso, ela mulher desapareceu.

Cleyton Nunes nega que tenha matado a sua companheira alegando que, ao chegarem em casa, tiveram uma discussão e Alexandrina teria arrumado as suas coisas e saído. No entanto ele foi indiciado em inquérito por crime de feminicídio e ocultação de cadáver.

Com a confirmação da morte da “Lilica”, Cleyton Nunes deverá voltar a ser preso.

Informações de Silvan Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário