quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Ministro da Educação comete erro de português e escreve ‘imprecionante’

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, cometeu um novo erro de ortografia, nesta quarta-feira, ao escrever “imprecionante” em vez de “impressionante” em uma mensagem enviada pelo Twitter ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (sem partido). O deslize se soma a outros dois cometidos em agosto do ano passado, quando escreveu “suspenção” e “paralização” (em vez de “suspensão” e “paralisação”) em um ofício enviado ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Depois de virar alvo de piadas e viralizar nas redes sociais, Weintraub apagou a postagem. Era uma resposta à declaração do filho do presidente de que o Brasil nunca havia feito uma pesquisa sobre o uso defensivo de armas de fogo por um órgão oficial. “Só existiu uso ofensivo para exatamente demonizá-las. Seria interessante apoiar um projeto assim, caso haja oportunidade”, escreveu Bolsonaro, em uma mensagem encaminhada a Weintraub e ao ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Na resposta, reproduzida por centenas de usuários, o ministro da educação escreveu: “Caro @BolsonaroSP, agradeço seu apoio. Mais imprecionante: Não havia a área de pesquisa em Segurança Pública. Agora, pesquisadores em mestrados, doutorados e pós-doutorados poderão receber bolsas para pesquisar temas, como o mencionado por ti, que geram redução de criminalidade.”

No ano passado, Weintraub assumiu a responsabilidade pelos erros ortográficos contidos no documento assinado por ele e enviado a Guedes, mas ponderou que não os havia escrito, e que apenas tinha “deixado passar”. “Erros acontecem”, justificou na ocasião. Desta vez, no entanto, o ministro ainda não se manifestou sobre o lapso recente.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário