sexta-feira, 12 de junho de 2020

Uso de resíduos do açaí na produção de milho orgânico é tema de pesquisa da Embrapa Cocais e parceiros

A Embrapa Cocais está coordenando um projeto de pesquisa que visa avaliar o uso do resíduo da agroindústria de açaí como fonte de matéria orgânica para o solo. O objetivo da iniciativa, realizada em parceria com Universidade Estadual do Maranhão - UEMA, Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão - Agerp, Embrapa Agrobiologia e Embrapa Amapá,  melhorar os atributos físicos e químicos do solo em sistema de cultivo orgânico da cultura do milho verde, especialmente na agricultura familiar, garantindo agregação de valor ao produto.

O estudo financiado pela FAPEMA atende ao desafio de inovação - reduzir a carência de tecnologias para manejo e conservação de solos em áreas com sistemas de produção de base ecológica - estabelecido no Portfólio de projetos da Embrapa com a denominação "Sistemas de Produção de Base Ecológica da Embrapa". E se justifica no fato de que, de 2006 e 2017, a produção de frutos de açaí no Maranhão passou de 9.441 toneladas para 18.330 toneladas, um aumento de 94,15% (IBGE, 2018). Na extração da polpa de açaí, os caroços correspondem a 73% da biomassa dos frutos. Em São Luís, capital do estado, atualmente são gerados cerca de 90 toneladas de resíduos de caroços na safra e 50 toneladas na entressafra pelas onze agroindústrias de frutos de açaí.

Segundo Carlos Freitas, pesquisador da Embrapa Cocais e coordenador do projeto, a ideia surgiu da constatação do aumento da demanda por alimentos saudáveis, mais sofisticados com qualidade nutricional, livre de contaminação e agrotóxicos, orgânicos, e também da importância em contribuir com a destinação útil e ecológica dos resíduos da crescente agroindústria do açaí. “O consumo de milho verde deixou de ser restrito às festividades juninas e tornou-se um hábito de consumo da população ludovisense, cada vez mais interessada em alimentos saudáveis. Os resíduos de agroindústrias de açaí da região metropolitana de São Luís serão transportados para um pátio de compostagem e, após processamento serão aplicados como fonte de matéria orgânica (carbono) e condicionadores de solo da cultura de milho verde”, explica Freitas.  

Além do aproveitamento dos resíduos da agroindústria de açaí, a pesquisa pretende ajustar o manejo cultural do sistema orgânico de produção de milho verde, incluindo as práticas de adubação orgânica, adubação verde e inoculação de sementes. O estudo será conduzido no campo agrícola da Escola Casa Familiar Rural,  do povoado Quebra Pote, localizada no município de São Luís-MA.

Para ler a matéria na íntegra, acesse aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário