sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

“O caso Queiroz já é um acinte com graves suspeitas de vergonhoso caso de corrupção”, diz deputado eleito Márcio Jerry

 
A decisão do ministro do STF Luiz Fux, de suspender liminarmente a investigação em torno de Fabrício Queiroz, ex-assessor do gabinete do deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro (PSL), eleito senador em 2018, levou o deputado federal eleito Márcio Jerry (PCdoB) a bater forte no clã Bolsonaro.

Em sua página no Twitter, Jerry advertiu que o fato de Flávio  Bolsonaro ter recorrido ao Supremo Tribunal Federal para proteger seu amigo e ex-funcionário Fabrício Queiroz, aumentam ainda  mais as suspeitas. Segundo o dirigente comunista “quem não deve, não teme”.

O assessor do filho do presidente Jair Bolsonaro foi flagrado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em movimentações financeiras suspeitas da ordem de R$ 1,2 milhão e até hoje não deu explicações sobre os depósitos de funcionários do gabinete em sua conta pessoal sempre nos dias posteriores ao pagamento dos salários dos servidores.

Para o parlamentar comunista, “o clã Bolsonaro com, com 17 dias no comando do país, desdenha, sapateia e dança na cara dos brasileiros”. Jerry diz ainda que “o caso Queiroz já é um acinte com graves suspeitas de vergonhoso caso de corrupção”.

Na avaliação de Márcio Jerry, o apelo feito por Flávio ao STF aumenta ainda mais as suspeitas que pairam sobre as verdadeiras atividades do assessor do gabinete do ainda deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro. 
(Do Jorge Vieira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário