.

.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Governo investe em capacitação de agentes para manter a ordem no Sistema Prisional

Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), realizou entre os dias 17 e 18 deste mês, o III Curso de Pistola Básico e Sobrevivência Policial, destinado a agentes penitenciárias do Maranhão. Desta vez, 30 servidoras participaram do curso, que é mais uma medida do Governo do Estado para qualificar as servidoras que trabalham na segurança interna prisional. A iniciativa foi promovida pela Academia de Gestão Penitenciária (Agepen), em parceria com a Supervisão de Apoio Logístico do Sistema Prisional.

“Um sistema prisional estadual só se mantém em ordem se todos os seus agentes estiverem integralmente capacitados e em constante reciclagem”, declarou o secretário da Seap, Murilo Andrade de Oliveira.

A capacitação das agentes penitenciárias faz parte de uma série de cursos que constantemente são oferecidos aos servidores prisionais maranhenses. Desde janeiro de 2015, a Agepen já capacitou 4 mil agentes de segurança prisional, entre os quais efetivos, temporários, auxiliares, e até estagiários que estão nos setores administrativos.

“O curso teórico acontece na própria sede da Agepen, no bairro Outeiro da Cruz. Lá os servidores e servidoras estudam em um ambiente climatizado e moderno. A parte prática do curso se dá em locais externos, entre os quais a própria sede do Grupo Especial de Operações Penitenciária (Geop), na BR-135”, explicou o diretor da Agepen, Fabiano Cavalcante.

Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Técnicas para manuseio de arma de fogo

Durante o curso, as agentes penitenciárias aprimoraram suas técnicas de manuseio de arma de fogo e tiro; algemação; desmontagem de arma de fogo; o correto posicionamento, no momento do tiro; além de técnicas de sobrevivência. Antes ministrado por profissionais de outras forças policiais, o curso agora é dado por agentes penitenciários do quadro, entre eles do Geop.

“Muito nos orgulha o fato de o curso ser ministrado por agentes penitenciários locais. Temos profissionais altamente preparados e capazes de atuar como multiplicadores. Mesmo para o agente que já tem experiência, o aprimoramento é indispensável para quem trabalha na rotina prisional”, lembrou a agente penitenciária de carreira, Kelly Carvalho.

Ciente da necessidade de mais contingente, a gestão formou 235 novos agentes penitenciários de carreira, no dia 2 de dezembro de 2016. O governador Flávio Dino acompanhou a cerimônia que marcou o início da superação de índices negativos, nunca sanados na história do sistema prisional maranhense, como o número de presos por agentes.

“Em 2014, o total era de 12 detentos por agente. Já em 2016, fechamos com a média de três presos por agente. Isso significa uma redução de 75% no número de encarcerados por servidor, e ainda supera a proporção mínima de 1 agente penitenciário para cada cinco presos, determinada pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP)”, lembrou o secretário Murilo Andrade de Oliveira.

Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Investimentos no sistema prisional

Após abrir mais de mil novas vagas, com a construção de cinco presídios no interior, entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016, em Açailândia, Balsas, Imperatriz, Pedreiras e Pinheiro; e colocar mais de 2 mil detentos em oficinas de trabalho, além de mais de 900 matriculados em salas de aula, a gestão estadual mantém o controle do sistema prisional.

Desde janeiro de 2015 até a presente data, nenhuma ocorrência de rebelião ou motim com mortes e/ou feridos foi registrada no Sistema Penitenciário do Maranhão. Além das ações de humanização prisional, o Governo pôs em prática a separação de integrantes de facções criminosas, uma determinação prevista no Art. 84 da Lei de Execuções Penais (LEP).

“A lei determina que todo preso que tiver sua integridade física, moral ou psicológica ameaçada pelo convívio com os demais presos, precisa ser separado. No entanto, é importante lembrar que apenas a separação não bastaria. Foi preciso modernizar o sistema, e dar oportunidades de trabalho e de estudo aos internos, o que já é uma realidade no Maranhão”, observou Murilo Andrade de Oliveira.

Mais

Além da capacitação contínua de seus agentes penitenciários, O Governo do Estado já colhe os frutos do investimento feito na área de segurança e modernização do sistema prisional do Maranhão. Desde que foi inaugurada, em novembro de 2016, a Portaria Unificada, equipada com Body Scan (escâner corporal), já barrou mais de 20 pessoas tentando entrar com drogas e celulares no Complexo Penitenciário de São Luís.
Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)
Terceira turma do Curso de Pistola e Sobrevivência Policial para agentes penitenciárias do Maranhão. (Foto: Divulgação/Seap)

Nenhum comentário:

Postar um comentário