quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Juíza de Coroatá exclui conta do Facebook após descoberta da relação com empresa da família Sarney

No dia 7 de setembro de 2012, a juíza fez check in na rede social após passagem na TV. “Nada como se sentir em casa, bem à vontade, sem chinelo… ah…”, diz a juíza na postagem. A juíza Anelise Reginato, que determinou a inelegibilidade do governador Flávio Dino, apagou há pouco sua conta no Facebook após o Blog do Clodoaldo Correa ter publicado o print de uma publicação em que a magistrada em 2012 estava no sistema Mirante de Comunicação e disse se sentir em casa na TV de Sarney.
A estreita relação da magistrada, que diz se sentir em
 casa na segunda casa de José Sarney – a
TV Mirante – explica muita coisa sobre a atabalhoada
 decisão proferida por ela.
Anelise Reginato é casada com Márcio Fontenele, filho do radialista Herbert Fontenele, falecido em 2015 e ex-funcionário por muitos anos do Sistema Mirante, empresa de propriedade da família Sarney.
A Mirante tenta diariamente, e de forma sistemática, criar reportagens que desgastem o nome do governador Flávio Dino, de modo, a tentar eleger a ex-governadora Roseana, que detém boa o poder de boa parte da empresa de comunicação.

Conta de Analise fora do ar no Facebook logo após a imprensa maranhense descobrir suas relações com a família Sarney…
Curiosamente, a filha de Sarney tinha como principal secretário de seu governo Ricardo Murad (cunhado de Roseana), casado com a ex-prefeita de Coroatá Teresa Murad, que perdeu as eleições em 2016 e moveu ação contra Flávio Dino que foi acolhida por quem? Exatamente, pela juíza eleitoral de Coroatá!
A decisão gerou uma série de especulações. Para especialistas em Direito Eleitoral, a decisão é improcedente, uma vez que a Lei da Ficha Limpa define que só serão considerados inelegíveis políticos condenados em órgão judicial colegiado, e a decisão de Anelise foi proferida em primeira instância.
A sentença faz parte de um velho joguete político adotado pelo clã Sarney: o tapetão. As suspeitas foram endossadas com o surgimento de indícios que põem em xeque a imparcialidade da magistrada.
Do DomingosCosta

Nenhum comentário:

Postar um comentário