quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Abuso de poder político e econômico pode cassar o prefeito reeleito de Gonçalves Dias

 

Toinho Patioba

Tramita na 108ª Zona Eleitoral de Governador Eugênio Barros, 02 (duas) Ações de Investigação Judicial Eleitoral contra o prefeito reeleito de Gonçalves Dias, Toinho Patioba. As informações são de Deuzimar Lobão.

Na primeira, protocolada sob o nº 06000371-93.2020.6.10.0108, consta na representação que o prefeito reeleito foi beneficiado pela conduta ilícita do seu coordenador de campanha, irmão da atual vice-prefeita. Nela conta que no dia 14/11/2020, o coordenador de campanha aparece em gravação de áudio veinculada na rede social Whatsapp cometendo crime de capacitação ilícita de sufrágio, o qual demonstra sua insatisfação  contra o eleitor que recebera outrora benefício ilícito em troca de apoio político, exigindo ainda a devolução dos valores pagos em troca do voto.

Na outra representação, protocolada sob o nº 0600370-11.2020.8.10.0108, consta que um sujeito identificado como Talyson, funcionário do prefeito, dirigiu-se à casa da eleitora L.D.S.N.C., que reside na Rua Coelho Neto, na cidade de Gonçalves Dias, e lhe ofereceu dinheiro em troca de voto para prefeito na importância de R$ 500,00, que foi aceito pela eleitora.

Assim, no dia 13/11/2020, a referida eleitora estava sentada na porta de sua casa, quando apareceu o atual secretário de Cultura Jonas Cavalcante e perguntou para quem ela iria votar, tendo como resposta o nome do candidato derrotado nas urnas, Vilson Andrade. Inconformado, o secretário de Cultura começou a xingar a eleitora dizendo que ela era uma “velha vagabunda sem vergonha” que o Toinho já teria pago o voto dela e mesmo assim ela não ia votar nele, e disse que no outro dia ia buscar o dinheiro de volta.

A eleitora disse que iria devolver, mas que iria gravar o momento da devolução, foi quando ele ameaçou que se gravasse seria pior. Nesse momento houve uma aglomeração de pessoas e a polícia foi chamada ao local, sendo que vários vídeos mostram a confusão.

Ambos os processos aguardam julgamento na Justiça Eleitoral de Governador Eugênio Barros que apurará os fatos apresentados, e caso se configure crime eleitoral por meio da capitação ilícita de sufrágio, poderá ocorrer a cassação do diploma do prefeito eleito Toinho Patioba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário