sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Encapuzados somem de Sobral após tumulto e comércio reabre

A escavadeira que Cid guiava quando foi atingido passou parte do dia ainda no local do tiroteio, ao redor de fitas de isolamento e em meio a cacos de vidro quebrados e pedras
© Bruno Ribeiro/Estadão A escavadeira que Cid guiava quando foi atingido passou parte do dia ainda no local do tiroteio, ao redor de fitas de isolamento e em meio a cacos de vidro quebrados e pedras
SOBRAL - Os policiais militares amotinados no 3.º Quartel da Polícia Militar de Sobral, local onde o senador licenciado Cid Gomes (PDT) foi atingido por dois tiros de pistola na quarta-feira, 19, sumiram da cidade, que teve uma quinta-feira de comércios abertos e patrulhamento policial visível na rua. No município, moradores se questionam se os agentes deixaram Sobral ou se só tiraram as máscaras e voltaram à rotina.

A escavadeira que Cid guiava quando foi atingido passou parte do dia ainda no local do tiroteio, ao redor de fitas de isolamento e em meio a cacos de vidro quebrados e pedras. Foi retirada apenas no início da noite, levada por peritos, segundo contaram moradores e comerciantes. Dentro do quartel, entretanto, ainda não há quadros regulares de PMs. O prédio está ocupado por agentes do batalhão ambiental da PM e do Raio, um grupo de elite similar à Rota paulista, que não haviam aderido ao motim de quarta.

“Quando o pessoal (dos demais batalhões chegou, (quinta) de manhã, os caras (amotinados) já tinham ido embora. Foram embora à noite, depois da confusão”, conta o aposentado Sebastião Amado, de 73 anos, que mora próximo do quartel. Ele disse que a tensão maior havia sido na quarta-feira de manhã, quando houve o toque de recolher.

Insegurança

 

O comércio do centro de Sobral havia sido fechado depois que homens, em viaturas da PM, vestindo roupas à paisana e com capuzes ou camisetas nos rostos mandaram os comerciantes baixarem suas portas.

Longe da base policial invadida, os comerciantes ficaram na dúvida sobre fechar ou não as portas na quarta. Mas se queixaram de ainda se sentirem inseguros. “Não teve nada por aqui. Nem toque de recolher, nem viatura abandonada com pneu murcho. Mas a notícia se espalhou, né? Estava todo mundo sabendo.”, disse a balconista Laurane Ferreira. “A gente ficou inseguro.”

“Eles ficaram o dia todo lá. Será que levaram arma, levaram bala, levaram escopeta? Não teve ninguém falando isso. O que ainda pode acontecer?”, disse o aposentado Cosme Mendes, de 69 anos.

Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário